terça-feira, 6 de dezembro de 2016

6 de dezembro – Dia Nacional de Mobilização dos Homens pelo Fim da Violência contra as Mulheres


A Campanha Brasileira do Laço Branco tem como objetivo sensibilizar, envolver e mobilizar os homens no engajamento pelo fim da violência contra a mulher. Suas atividades são desenvolvidas em consonância com as ações dos movimentos organizados de mulheres e de outras representações sociais que buscam promover a equidade de gênero, através de ações em saúde, educação, trabalho, ação social, justiça, segurança pública e direitos humanos.

A Campanha surgiu a partir de um triste episódio. No dia 6 de dezembro de 1989, um rapaz de 25 anos (Marc Lepine) invadiu uma sala de aula da Escola Politécnica, na cidade de Monteral, Canadá. Ele ordenou que os homens (aproximadamente 48) se retirassem da sala, permanecendo somente as mulheres. Gritando: "você são todas feministas!?", ele começou a atirar enfurecidamente e assassinou 14 mulheres, à queima roupa. Em seguida, suicidou-se. O rapaz deixou uma carta na qual afirmava que havia feito aquilo porque não suportava a ideia de ver mulheres estudando engenharia, um curso tradicionalmente dirigido ao público masculino.

O crime mobilizou a opinião pública de todo o país. Assim, um grupo de homens do Canadá decidiu se organizar para dizer que existem homens que cometem a violência contra a mulher, mas existem também aqueles que repudiam essa atitude. Eles elegeram o laço branco como símbolo e adotaram como lema:  jamais cometer um ato violento contra as mulheres e não fechar os olhos frente a essa violência.


Fonte: http://institutopapai.blogspot.com.br/p/campanha-laco-branco-homens-pelo-fim-da.html

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

25 de Novembro - Dia Internacional da Não Violência Contra a Mulher



         
         Em 1981, na Colômbia, durante o Primeiro Encontro Feminista Latino-americano e caribenho foi instituído o Dia Latino-americano e caribenho de combate à violência contra a mulher em homenagem às irmãs Mirabal: Pátria, Minerva e Maria Tereza, ativistas políticas brutalmente assassinadas na República Dominicana em 25 de novembro de 1960.

Quando o ditador Rafael Trujillo chega ao poder na República Dominicana, as irmãs Mirabal formam um grupo de oposição ao regime e passam a ser conhecidas como “Las Mariposas” (“As borboletas”). Em 1960, são perseguidas pelo regime, apunhaladas e estranguladas. O crime acaba tendo muita repercussão e causa grande comoção no país, despertando a consciência do povo para o regime de opressão e culminando com a morte de Rafael Trujillo em 1961.


Quase 40 anos depois, em 1999, a Assembleia Geral das Nações Unidas declara que o dia 25 de novembro é o Dia Internacional da Não-Violência contra a Mulher em homenagem às “Las Mariposas”.

Retirado do Site:
http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/politicas_para_as_mulheres/noticias/?p=184985

25 DE NOVEMBRO NO PROJETO ANTONIA

O Projeto Antonia, em sintonia com a data, realizou uma tarde lúdica abordando o tema: violência contra a mulher - Juntas e unidas podemos mudar esta realidade.

Participaram da reflexão cinco mulheres atendidas pela Unidade Antonia partilhando o que pensam sobre a realidade de violência. Diziam que percebiam que "a violência está relacionada ao machismo" e que a Lei Maria da Penha não resolveu tudo, mas pelo menos deu visibilidade para a questão. 

Ao final da atividade, todas as presentes foram convidadas para escrever no painnel sobre o que pensavam sobre a palavra: Violência. 

















segunda-feira, 21 de novembro de 2016

16 dias de Ativismo


Fonte: Internet
                  A Campanha 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres é uma mobilização anual, praticada simultaneamente por diversos atores da sociedade civil e poder público engajados nesse enfrentamento. Desde sua primeira edição, em 1991, já conquistou a adesão de cerca de 160 países. Mundialmente, a Campanha se inicia em 25 de novembro, Dia Internacional da Não Violência contra a Mulher, e vai até 10 de dezembro, o Dia Internacional dos Direitos Humanos, passando pelo 6 de dezembro, que é o Dia Nacional de Mobilização dos Homens pelo Fim da Violência contra as Mulheres.




No Brasil, a Campanha acontece desde 2003 e, para destacar a dupla discriminação vivida pelas mulheres negras, as atividades aqui começam em 20 de novembro, Dia da Consciência Negra. 





Como lembra a promotora legal popular e também integrante do Geledés – Instituto da Mulher Negra, a advogada Maria Sylvia Oliveira:
"as mulheres negras são as que estão na base da pirâmide social e, por conta disso, são as maiores vítimas da violência de gênero".

No Brasil, além dos movimentos de mulheres, a Campanha dos 16 Dias de Ativismo recebe adesões institucionais, como da Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República, da Procuradoria da Mulher no Senado, da Secretaria da Mulher da Câmara dos Deputados, do Ministério da Justiça, do Ministério da Saúde, dos Juizados e dos Núcleos do Ministério Público e da Defensoria especializados na aplicação da Lei Maria da Penha nos Estados, entre outros. 


Retirado do Site:


sexta-feira, 28 de outubro de 2016

Instituição do Direito De Voto da Mulher


       No dia 03 de novembro de 1930 as mulheres conquistaram o direito de votar. Através do voto adquirem voz em nossa sociedade, mas é bom recordar que este é um direito conseguido por meio de muitas reivindicações, lutas de resistência e militância de mulheres que não temeram perder a vida pela conquista de seu direito.

A princípio a conquista foi parcial, pois somente mulheres casadas, com autorização dos maridos, e às viúvas e solteiras que tivessem renda própria, poderiam exercer sua cidadania.


Em 1934, as restrições ao voto feminino foram eliminadas do Código Eleitoral, embora a obrigatoriedade do voto fosse um dever masculino. Em 1946, a obrigatoriedade do voto foi estendida às mulheres.

Como mulheres, nos orgulhamos de pisar neste chão preparado por aquelas mulheres guerreiras que arriscaram suas vidas na luta pelos seus / nossos direitos. Garantir a Igualdade de gênero, seja na política, ou em qualquer outro âmbito, é um dever nosso.

Retirado site: http://www.oieduca.com.br/biblioteca/que-dia-e-hoje/instituicao-do-direito-de-voto-para-mulheres.html?sniveleduca=efaf


Fonte: internet

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

Festa do Santíssimo Redentor


     Queridas amigas (os), no Próximo domingo, dia 16 de outubro, nós da Rede Oblata comemoramos o dia do Santíssimo Redentor. 

"Que possamos, cada dia mais, fazer-nos semelhantes a Ele".


Feliz Dia do Santíssimo Redentor para Todas(os)!



terça-feira, 11 de outubro de 2016

OUTUBRO ROSA

Por: Maria José
(Educadora Social - Projeto Antonia)
       
Mulheres, devemos dar atenção à Campanha Outubro Rosa, pois não se trata de modismo, porque é bonito andar com um lacinho rosa ou algum acessório de cor rosa, na verdade se trata de uma campanha de sensibilização/conscientização referente ao câncer de mama, para a prevenção e diagnóstico precoce, pois dessa forma as chances de tratamento são maiores.

Essa campanha começou nos Estados Unidos, e o uso do laço rosa começou quando a Fundação Susan G. Komen for the Cure, distribuiu laços rosas aos participantes da primeira Corrida pela Cura, realizada em Nova York, em 1990 e, desde então, promovida anualmente na cidade.

O Brasil não ficou de fora, e começou a divulgar e incentivar a luta contra o câncer. O primeiro ato foi em São Paulo, quando em 02/10/2002, o obelisco do Ibirapuera (um monumento dos Soldados Constitucionalistas), recebeu uma iluminação na cor rosa, daí em diante, muitos outros monumentos foram iluminados no mês de outubro na cor rosa.

Essa campanha é feita no mês de outubro, mas o assunto deve ser tratado o ano inteiro, veja os índices de estimativa de câncer de mama no Brasil, segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA)

ESTIMATIVA | 2016 - Incidência de Câncer de mama no Brasil      


Para o Brasil, em 2016, são esperados 57.960 casos novos de câncer de mama, com um risco estimado de 56,20 casos a cada 100 mil mulheres.

Dicas importantes:

- Autoexame (tocar, apalpar as mamas, deitada, ou em frente ao espelho, tomando banho), verifique se há algum modulo na região dos seios ou ainda próximo às axilas;

- Percebendo alguma anormalidade, não se desespere, procure um médico;

- Recomendável para mulheres a partir dos 40 anos, realizar mamografia, uma vez por ano.


“Mulher se toque,

 a prevenção ainda é o melhor remédio”




quarta-feira, 21 de setembro de 2016

EXPLORAÇÃO SEXUAL: SÓ BASTA NOS LEMBRAR DO DIA 23 DE SETEMBRO?

Na data 23 de setembro comemora-se o Dia Internacional contra a Exploração Sexual e o Tráfico de Mulheres e Crianças.
Fonte: Internet
Essa data foi escolhida pelos países participantes da Conferência Mundial da Coalizão contra o Tráfico de Mulheres, que acontecera em Dhâka, Bangladesh em setembro de 1999, 86 anos depois da criação da Lei Palácios – que promulgara a Argentina no ano 1913, sendo a primeira Lei que pune o tráfico para exploração sexual de mulheres e crianças.
O objetivo dessa ação visou visibilizar, sensibilizar e divulgar a realidade do tráfico humano, para exploração sexual de mulheres e crianças.

Mas o que entendemos por exploração sexual? Já imaginamos e escutamos diferentes respostas de vocês leitores e leitoras deste blog.
Para provocar o debate queremos aproximar de vocês o que envolve o entendimento quanto à exploração sexual. Partimos desta pergunta: Prostituição e exploração sexual são a mesma coisa?
“A prostituição é uma profissão reconhecida na Classificação Brasileira das Ocupações (CBO), contudo não é regulamentada. Ou seja, para as pessoas maiores de 18 anos a prostituição pode ser uma escolha que não envolva exploração sexual nem outras violações de direitos, desde que o trabalho seja exercido seguindo normas e procedimentos que minimizam a vulnerabilidades da profissão. (...) Já a exploração sexual é a obtenção de lucro por meio da prostituição de outra pessoa. As características de trabalho forçado - como cerceamento da liberdade, servidão por dívida, retenção de documentos e ameaça – podem ou não estar presentes nesse caso, como vemos na reportagem “Libertações em boate: exploração sexual, dívidas e escravidão”, da Repórter Brasil, de dezembro de 2010, que mostra a situação de 20 mulheres e 04 homens obrigados a se prostituir. Eles não trabalhavam por livre e espontânea vontade, pois ficavam 24 horas a disposição para atender os clientes e recebiam os salários por fichas que eram trocadas por produtos superfaturados.” (http://goo.gl/QX7pTm)[1]
               
Nesta perspectiva falar de prostituição infantil, é um erro na utilização do termo.Além da compreensão dos termos que é muito importante para saber do que estamos falando, como cidadãos e cidadãs não podemos ficar indiferentes diante realidade existente de exploração sexual de mulheres e crianças. Sabendo que se está impondo há muito tempo e cresce, com formas sofisticadas de desumanização, um sistema pornográfico que violenta e mata não só os sonhos, senão as vidas das meninas como acontece, com as chamadas bonecas sexuais humanas que são procuradas por homens bilionários. Será que só tem a finalidade de satisfazer uma fantasia sexual com se fala corriqueiramente. O que está por trás destas aberrações? É bom pensar em causas múltiplas e estruturais acerca destas realidades.
Para concluir e completar nossa reflexão queremos trazer estes dados estatísticos: “Para a Organização das Nações Unidas (ONU), o Brasil é um dos países campeões do mundo, quanto ao tráfico de pessoas, sobretudo, mulheres, crianças e adolescentes para exploração sexual”. Estima-se que 700.000 mulheres e crianças passam pelas fronteiras do tráfico humano. É o país responsável pelos 15% das pessoas exportadas de América Latina para Europa.
 Qual seria hoje o nosso grito e nossa ação concreta diante dessa realidade? Podemo-nos conformar com só lembrar um dia que, existe a exploração sexual de mulheres e crianças?
Podemos constatar que esta realidade tem feições concretas. Embora existam somente dados aproximativos sobre o tráfico de pessoas em geral e, em particular quanto à exploração sexual de mulheres e crianças. Todos e todas no dia a dia nos deparamos com notícias nas mídias, com casos concretos em nossos bairros, em nossas famílias, nas escolas e nas diferentes entidades e instancias da sociedade civil, do poder público e de nossas igrejas.
Olhar para essa realidade e deixarmos tocar por ela, nos instiga e impulsiona a tomar a atitude e prestar atenção aos nossos próprios comportamentos, conceitos, preconceitos que às vezes sem consciência ou muito pouca, pode reforçar um sistema de exploração sexual dos corpos das mulheres, sejam crianças, adolescentes ou adultas. E contribuir para sua reprodução.
Fonte: internet

Autora: Ir. Manuela Rodríguez Piñeres (Instituto das Irmãs Oblatas do Santíssimo Redentor e da Rede Um grito pela Vida, no enfrentamento ao Tráfico de Pessoas)


[1] ESCRAVO NEM PENSAR, REPÓRTER BRASIL, Caderno tráfico de pessoas, mercado de gente, pág. 12.Leia Mais